terça-feira, 28 de abril de 2009

A verdadeira História de Tiradentes



Inicia contando que jamais ficou clara a exata importância do papel desempenhado por Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, na Inconfidência Mineira. Nunca se soube direito se ele era um revolucionário consistente ou um bobo boquirroto, que nos bordéis oferecia às prostitutas lugares de destaque na república que prometia construir.


Entretanto, Tiradentes, cujos traços fisionômicos verdadeiros não conhecemos, cuja biografia nos chegou truncada, pela razão de ser adepto do regime republicado, foi elevado a herói oficial pela República. Nos últimos 117 anos, pairando por cima dos diversos golpes e revoluções, ditaduras, períodos democráticos, governos mais à direita e mais à esquerda, o 21 de abril, dia do enforcamento de Tiradentes, em 1792, nunca deixou de ser feriado.



A PRIMEIRA RAZÃO para seu triunfo póstumo ( no período imperial sua figura permaneceu quase esquecida) tem base no próprio caráter esquivo do personagem, pois como não se sabe direito quem foi, virou figura fácil de ser puxada para um ou outro lado. Se o regime militar declarou-o - Patrono Cívico na Nação Brasileira, fazendo-o herói para personificar os valores que o regime militar pretendia representar, a esquerda brasileira (por Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri) montaram a peça Arena Conta Tiradentes, mostrando-o um contestador desses mesmos valores.



A SEGUNDA RAZÃO é o fato da frustrada tentativa de insurreição de que Tiradentes acabou símbolo, ter ocorrido em Minas Gerais, com desdobramento no Rio de Janeiro, onde ele foi preso e enforcado. Outras revoluções, também com coloração republicana, ocorreram tanto no período colonial como no imperial: a de Pernambuco (1817) e a Farroupilha no Rio Grande do Sul (1824) e Frei Caneca e Bento Gonçalves, respectivamente, cabeças das insurreições mencionadas também poderiam ser proclamados heróis, mas, foram desconsiderados, provavelmente por terem atuado em regiões consideradas, àquela altura, secundárias em relação ao eixo político do país, enquanto Minas Gerais já era considerada o centro político do país.



A TERCEIRA RAZÃO para a glorificação de Tiradentes é o apelo popular da fusão, em sua pessoa, de herói nacional e ícone religioso. Os artistas inventaram para ele um rosto inspirado no de Jesus Cristo, como Cristo é protagonista de uma paixão e sua caminhada até a forca ecoa o trajeto do Calvário.


Consta que nos três anos em que permaneceu preso, marcados pelas privações, interrogatórios, expectativa da morte e pela assistência dos padres, Tiradentes deixou-se tomar pela religiosidade. Ao subir ao cadafalso, beijou os pés do carrasco, depois rezou o credo: era como um Cristo entregando-se à sua morte. Joaquim José da Silva Xavier cumpre uma trajetória que vai de um Macunaíma dos bordéis a um místico. De permeio, é um servidor da ordem (alferes do Exército) que passa a adepto falastrão de um movimento contestatório que vira fumaça antes de conseguir pôr pé na realidade. Era também um hábil arrancador de dentes, ofício para o qual andava com uma pequena canastra em que guardava uns tantos ferrinhos, e pronto: eis a figura de um brasileiro. (Este ensaio, de Roberto Pompeu de Toledo, chama-se Joaquim José, um brasileiro).







Conclusão

Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes foi uma das pessoas que lutaram pela independência do Brasil.
Mineiro e que tornou-se o principal nome dos insurgentes menos por ser o cérebro do movimento de libertação.






Minha Opinião


Tiradentes foi uma pessoa que impôs seus ideais a maior motivação era a Independência do Brasil ele cravou uma lutar pela sua ideologia sem ao menos se queixar das conseqüências e com o martírio Enquanto seus colegas choravam na cadeia e no julgamento, ele se manteve calmo, altivo, resignado. De todos os condenados, só ele foi enforcado entre outros que estavam presos junto a ele.
A fim de tudo Tiradentes foi umas das poucas diversas pessoas que lutaram pelo voto de Liberdade de seu Pais.






Bibliografia